http://youtu.be/PT1pPIBEEWQ

Loading...

quinta-feira, novembro 21, 2013

Estratégias para potencializar a aprendizagem

       Ao reconhecer a importância da organização do espaço em sala de aula, descobrimos estratégias decisivas na aprendizagem efetiva dos alunos.
       Assim, a distribuição das carteiras e de outros objetos pedagógicos, bem como sua conservação afeta a forma como os alunos se relacionam e interagem com o professor.
       A organização tradicional das carteiras – enfileiradas e voltadas para frente – ainda é a mais usada, legitimando o professor como único detentor do conhecimento. Essa disposição é propícia para investigar o aprendizado individual do aluno, sobre determinado tema.
       A disposição circular das carteiras possibilita o diálogo aberto, em que os estudantes trocam informações entre si. De acordo com as teorias pedagógicas modernas, é a forma mais eficiente de aprendizado, favorecendo o brainstorming (algo como, uma tempestade de ideias). Todos os alunos participam da atividade e se sentem à vontade para expor suas ideias.
       Já a disposição de mesas agrupadas é usada para que pequenos grupos reflitam sobre uma mesma atividade, ao buscar a cooperação cognitiva para a solução de um problema, por exemplo.
       Além dessas estratégias, há outras que propõem atividades em algum ambiente externo, favorecendo a aprendizagem a qualquer e todo o momento, em todo e qualquer lugar!

quarta-feira, novembro 20, 2013

Diário de uma aprendiz

O curso de Educação Digital foi instigante e desafiador, além de divertido. Ter em mãos ferramentas poderosas de aprendizagem é algo fantástico. Tudo o que se aplica ao aluno, aplica-se antes, ao professor. Todo o cabedal construído para o deslumbre do aluno digital, é também para esse professor, não tão digital!
    Então, todo o planejamento e busca para potencializar a aprendizagem do aluno estão, estreitamente ligados à motivação do professor, em aprender novos saberes, aprender junto com o aluno e com os colegas de trabalho, a todo o momento, em todo o lugar, de muitas maneiras.
    Certo está que, muitas vezes, senti  a solidão de um eremita, pois embora  conectados, em rede, era mais fácil acreditar tratar-se de uma rede de computadores, do que de uma rede de pessoas... Mas também, ironicamente, essa sensação foi a motivação para experimentar variados e inesperados caminhos! A necessidade cria o engenho, certamente…
Observando o esforço da tutoria e coordenadoria para que, a cada etapa do curso, continuássemos motivados e preparados para alçar voos mais altos, percebo que temos, desde já, modelos em que possamos nos espelhar pela vida pedagógica afora. 
Muito obrigada a todos!


  

terça-feira, novembro 19, 2013

O prazer de ler

    Foram meus irmãos menores, os meus primeiros professores de leitura.
    Deixe-me explicar: todas as noites, eles me pediam para ler histórias para dormir. Sabia, exatamente, quais histórias eles mais apreciavam e quais novidades poderiam gostar. Representar os personagens, mudando o tom de voz, usando e abusando de onomatopeias...
    Cativar o ouvinte, com todo o ser, entrar em sintonia com o seu mundo imaginário, transitar livre e alegremente no complexo mecanismo de codificação e decodificação de linguagens múltiplas: um raro privilégio! Um prazer singular...
    Assim, a leitura não deve conter em si, um caráter obrigatório, pois resultará em desprazer e infelicidade eterna. Um passo inicial mal dado pode comprometer todos os outros, vindouros!
    Ler é, antes de tudo, um mergulho para o mundo mágico do encantamento. Cada página é um convite aberto e franco, para sorrir, para chorar, para levar um susto, para refletir...
    Quando se lê, por puro prazer, a criança cria na memória, essa atmosfera de prazer e de felicidade. Tal como um rato de laboratório ativado para o sistema de recompensa, toda vez que a criança pega um livro ou tem um pensamento leitor, associa-o ao momento prazeroso, ou vice-versa. Criando-se assim, o fabuloso hábito da leitura.
    E quando se é picado pelo bichinho da leitura, o indivíduo fica infectado, para sempre! Pelo resto de sua vida. Esse “mal” só pode ser amenizado, por meio de um coquetel diário de livros, encontrado em bibliotecas e em boas livrarias. E o desejo insaciável de leituras, cada vez mais significativas...!

domingo, novembro 17, 2013

Planilhas e Tabelas Eletrônicas

    Em algum momento da vida, já deparamos com uma situação em que tivemos de organizar dados e selecionar informações de uma listagem. Não raramente, requeriam cálculos matemáticos, ainda que simples, porém trabalhosos. Uma lista de convidados para uma festa de casamento ou um inventário de bens, o cálculo da média final de uma disciplina, por exemplo. Ou ainda, o controle de empréstimo de livros e vídeos de biblioteca.
    Pois é... As planilhas de cálculo podem nos ajudar muito nessas horas! Organização, praticidade e tranquilidade - tudo num só aplicativo: o Excel. Há versões similares de planilhas, à livre escolha.
    De quebra, podemos criar estratégias para resolver problemas do nosso dia a dia. Como um pai que criou uma planilha para controle dos filhos, em que, a cada desobediência descontava um valor da mesada.
    Então, façamos uso criativo de planilhas e tabelas! Abuse e use!
 Matando dragões como um chefão do Excel

sexta-feira, novembro 15, 2013

O múltiplo papel da escola na sociedade atual

    Não faz muito tempo, quando um aluno demonstrasse desinteresse nos estudos, toda a crítica era direcionada ao aluno e sua família. Essa família procurava soluções para o aprendizado da criança, fora da escola, para que esse estudante correspondesse às demandas da escola.
    Atualmente, esse cenário é impensável, levando em conta a responsabilidade que a escola tem de acolher o aluno, de forma a descobrir as melhores estratégias para que a sua aprendizagem aconteça, efetivamente. Porque a escola é o guia para que o estudante consiga abrir várias janelas e portas do conhecimento.
    A escola deve conhecer seu aluno, suas particularidades e acompanhar os seus avanços e dificuldades. Conhecer o que atrai o aluno, qual a sua menina dos olhos, pois assim, o professor pode intervir de forma positiva e decisiva em sua trajetória estudantil.
    A escola, como um ponto de encontro de amigos. A escola, como uma lanchonete de alimentos saudáveis e deliciosos. A escola, como um clube de jogos desafiadores e divertidos. A escola, como uma família, bem maior, diversificada e rica, em experiências e experimentos. A escola, como um espaço de conforto e de consolo, para os dias tristes e alegres. A escola, como um espaço de compartilhamento de ideias e de compreensão. A escola, como um trampolim para os palcos da vida!

segunda-feira, novembro 04, 2013

Aprendizagem na projeção de imagens

   A imagem tem o poder muito grande de sedução. Por esse motivo também, é preciso ter muito cuidado com a linguagem visual. Seguir alguns princípios de diagramação e design e certamente, o cuidado com o uso de imagens.
   Uma boa apresentação não dispensa um bom planejamento.
  De como esses documentos digitais promovem a aprendizagem daqueles que os assistem e os produzem é algo poderoso.
   Assim, aprender a selecionar as imagens, saber “ler” essas imagens e a partir de então, proceder ao tratamento e edição das imagens, são passos importantes para a construção de sensibilidade para novas aprendizagens.

O prazer em aprender

domingo, novembro 03, 2013

Aprendendo sempre, em qualquer lugar!

Recentemente, pude experimentar e aprender mais sobre as ferramentas de comunicação digitais. De como elas são essenciais para a nossa vida pessoal, profissional, para as escolas e para o mundo todo.
Conhecer suas estruturas nos habilitam a escolher usá-las em diferentes contextos.
A etiqueta na rede, conhecida também como netiqueta, sugere o uso do bom senso, ao estabelecer o diálogo na internet. Bom senso fundamentado na boa educação e diplomacia, certamente!
Assim, o e-mail, o bate-papo, os fóruns e as redes sociais, ao multiplicar as conexões de nossa rede de comunicação possibilita que a nossa aprendizagem tenha um crescimento exponencial!
Essa aprendizagem individual é a peça-chave, juntamente com outros saberes individuais, responsáveis pela construção do saber coletivo. Assim, caminha a humanidade, assim acontece a evolução humana.

Tecnologia em sala de aula

   O prazer em aprender brincando...
Matéria do programa "Fantástico", da Rede Globo.

Muito além de uma biblioteca itinerante...

Quem nunca faltou a uma aula, que atire a primeira pedra...
E que tal, ao invés de atirar uma pedra, não lemos um livro?
Ela é conhecida como Educopédia, onde se pode acessar às aulas digitais, muito bem explicadas e ilustradas. Livros digitais, dos mais diversos gêneros literários!
Nunca uma biblioteca esteve tão perto da gente, a qualquer momento, em qualquer lugar, para todo mundo!

sábado, novembro 02, 2013

Leituras tecnológicas

       Da incursão no perfil do NTM (Núcleo Tecnológico Municipal) , entre imagens e textos, pude entrever algumas palavras-chave recorrentes e fundamentais. São elas, a tecnologia, a cooperação, a educação à distância.
       Se na aprendizagem pela cooperação havia inúmeros fatores limitantes, como a geografia, a cultura e a economia, por exemplo, a tecnologia tem abreviado essas dificuldades, seja por meio da internet, seja por meio da televisão, das rádios e das vídeos-conferências.
       De como a tecnologia tem revolucionado todas as esferas do conhecimento e do desconhecimento da evolução humana, isso é inquestionável. Aliás, por mais paradoxal que seja, a tecnologia nos chega, principalmente para a humanização!
       Humanização que consiste na apropriação de saberes, multiplicando-os, pela interação sociocultural, ao participar da construção do saber coletivo. Essa humanização inclui a imagem do professor, como um facilitador, um animador, um tutor, um monitor da aprendizagem!

       Esse processo, porém, exige responsabilidade e compromisso, em maior grau. Cada um contribuirá, no seu ritmo, no seu tempo e espaço, com sua característica própria, na construção do conhecimento.

Dinâmica do jogo cooperativo



     A dinâmica realizada entre os alunos consistiu em distribuir pirulitos para cada um, em que eles deveriam abri-los, sem o uso da outra mão. Com uma única mão, tentaram retirar a embalagem, em vão. Alguns recorreram até a ajuda da boca!
     Foi quando um aluno pedira auxílio para o seu vizinho. E assim, essa ideia se transformara em um efeito cascata. Cada um recorrera ao seu vizinho para ter seu doce, pronto para ser degustado.

     Eles puderam vivenciar a importância da cooperação para alcançar os objetivos de cada um, na coletividade.